O Farroupilha
  1. Home
  2. Artigo

A dor é de todos nós

A vida está diferente e é possível que fique assim por mais tempo do que gostaríamos. Se tudo tem um porquê, esta doença que assola a humanidade carrega ainda mais ensinamento. Dentre tantos, ela nos faz enxergar o quanto somos frágeis diante do desconhecido. E iguais. 

Ricos e pobres, do mais alto escalão ao mais baixo. Não importa. Ela é a mesma para todos. 

A ansiedade que carregamos conosco, pois estamos sempre de olho no amanhã e apreensivos se vamos ou não alcançar o que almejamos, recebeu um “sossega leão”. Simplesmente não sabemos o que vai acontecer depois de hoje. Estranho, não é?

Diante da ameaça, crescem as guerras políticas, de egos, de quem leva a melhor. Uns se firmam no poder da caneta que por ora possuem, outros aproveitam para atacar, ou para aparecer mais, mostrando o trabalho que deveriam ter feito há muito tempo. Ações que fomentam uma crise enorme, que tem o poder de desenhar um panorama nada bom lá na frente. 

Quem achou que 2019 podia ir embora por ser o causador de dores, não imaginava o que estava por vir. Neste time, eu, de mão levantada, entregando meu consciente esquecimento de que as coisas sempre podem piorar. As dores deixaram de ser só minhas. São do mundo agora.
Vai passar. 

Quem sabe a gente aprenda de uma vez por todas a valorizar o abraço de quem a gente ama.  Nesta semana, levei umas compras para minha mãe, que está em isolamento por fazer parte do grupo de risco, duplamente. Ainda bem que no andar do prédio em que mora, encontrou mais que amigos. Não subi e ela não desceu. O vizinho amigo recebeu as compras.

- Sua mãe pediu para você olhar para cima, ela está na janela para te ver.

Ergui a cabeça, para o apartamento que não era o dela, e a vi. A garoa fina que caia encontrou meus olhos marejados... de saudade, de pesar. Tão perto e tão longe estamos de quem não podemos abraçar por enquanto.

Que possamos aprender tudo aquilo que vai nos tornar pessoas melhores. A dor é mestre neste quesito. E agora ela é de todos nós, mas vai passar.