O Farroupilha
  1. Home
  2. Artigo

A gente não sabe trocar fralda!

É preciso nascer de novo a cada translação, a cada giro ao redor do Sol. É preciso renascer a cada rotação, a cada giro da Terra ao redor de si própria. O que são quatro anos de espera? O que é um dia? O que é a eternidade de minutos para uma ligação?

Algumas mensagens justificam minhas crônicas:

“Bom dia, admiramos o seu trabalho.

Entramos na fila de adoção em 2013. A nossa filha nasceu em 2017, no dia do seu aniversário de um aninho.
O nosso perfil era até dez anos. Até hoje, eu lembro a reação do meu marido quando eu consegui falar sobre a ligação e falei a idade …

- A gente não sabe trocar fralda! - kkkkkkkkkkk!!!

E foram tantos os sentimentos, tantas emoções.

Recebemos ela de coração aberto. Ela veio com muitas dúvidas e incertezas sobre a sua saúde … principalmente mental. Tivemos muitos medos, mas falamos que ela precisava da gente … Nós fomos escolhidos para dar amor e tudo o mais que ela fosse precisar.

A menina está hoje com 3 anos e 8 meses … A sua saúde? 100%.

Temos muita gratidão a todos que nos ajudaram e a todos os médicos que foram e ainda são de uma extrema atenção com a gente. Eu sempre falava que um dia lhe comentaria um pouco da nossa história”.

Este é o comentário. É uma mensagem para contemplar. É uma prece a ser recitada nestes tempos turbulentos. Um lírio nascido no outono empresta a qualidade do seu brilho às fraldas.

Todos nascem com muitas dúvidas e incertezas, principalmente mentais. E quem acha que não as têm é porque perdeu, pela estrada, a contemplação do lindo e do simples. Fomos escolhidos para dar amor. Há que se ter medo sim, mas com a certeza de que alguém precisa de nós. Pouco importa a idade, a saúde mental, a aparência física ou outros perfis a serem escolhidos. A necessidade de amar e de ser amado é de todos.

Adotar é escolher e ser escolhido. No dizer do meu amigo Gustavo, repicando a sabedoria africana: ‘Todos são pais; todas são mães; todos são filhos.’ A responsabilidade é de todos.

Ah!, se a humanidade aprendesse a trocar fraldas! …