O Farroupilha
  1. Home
  2. Artigo

“Ah! vai tomar banho”

Por causa da chegada da estação dos narizes gelados, um jornal gaúcho perguntou em sua enquete on-line: “Você mata o banho no inverno?” Entre as opções, 65,96% votaram “Não, tomo banho todos os dias”, 19,15% “Sim, mas apenas um dia”, e 14,89% “Sim, mais de um dia seguido”. Como praticamente um terço da gauchada tem pulado a ducha diária, um item de higiene corporal está ficando encalhado nas prateleiras dos supermercados: o sabonete. A Associação Gaúcha de Supermercados (Agas) divulgou uma pesquisa que aponta que o sabonete teve uma queda de 8% nas vendas.

Cresci ouvindo a expressão popular: “Banho? Hoje não é sábado!”. É só brincadeira, claro! Mas quanto tempo podemos ficar sem tomar banho? Segundo especialistas, uma chuveirada por dia é o ideal para eliminar a sujeira e não tirar a proteção natural da pele. Mais do que isso, pode ressecar e desidratar a pele – principalmente se a água estiver “pelando”. E para aqueles que nos dias frios tomar banho vira prova de resistência, eis que trago boa notícia: dá para ficar sem encarar o chuveiro por até cinco dias sem causar danos à saúde .

O certo é que, dependendo do compromisso assumido, não dá para enforcar o banho. Digo por experiência própria, pois certa vez fui convidado para dar uma palestra numa escola. Era inverno, chovia e fazia um friozão. Minha fala estava marcada para começar às 8h e, assim que o despertador do celular tocou, saltei da cama tão entusiasmado que quase executei o belo salto “duplo twist carpado” da ginasta Daiane dos Santos, e corri para o chuveiro. E, ao ligá-lo, surpresa: o bairro onde estava havia amanhecido sem água. “E agora? O que faço?”, pensei. Não tive alternativa senão aproveitar a chuvarada. Isso mesmo! Tomei banho com a água da chuva que caía no telhado e descia pela calha como uma pequena cachoeira.

Mas peraí, se banho é bom, porque mandar alguém ir “tomar banho” se tornou uma expressão de xingamento, e significa o mesmo que “cala a boca”? A explicação está na ideia que vincula o banho à higiene, ligada, por sua vez, à pureza. Então, nesse sentido, tomar banho seria purificar-se a fim de melhorar certos aspectos do caráter. Por isso tem gente que vê na TV pessoas “pregando moral de cueca” e tem vontade de gritar: “Ah! Vai tomar banho”.