O Farroupilha
  1. Home
  2. Artigo

Crateras nas estradas - Crateras morais

O Daer é uma autarquia estadual fundada em 11 de agosto de 1937, responsável pela gestão do transporte rodoviário no estado do Rio Grande do Sul. Vinculado à Secretaria de Logística e Transportes, o órgão é dotado de personalidade jurídica de direito público, com autonomia financeira e administrativa (Lei 11.090/1998)
A missão do Daer é gerir o Sistema Rodoviário Estadual, garantindo sua mobilidade e segurança, com integração às rodovias municipais, federais e outros modais, para promover o desenvolvimento da sociedade através do transporte de pessoas e cargas.
É responsável pelas obras e serviços de construção, restauração e manutenção em mais de 11 mil quilômetros de rodovias estaduais do Rio Grande do Sul. No ano passado, a autarquia teve uma despesa de R$ 579.390.671,05 e paga salários a quase 1 mil funcionários ativos. Já é de longa data a busca por uma explicação da ineficácia operacional da entidade, por um lado acusa-se os servidores de empenharem-se pouco e estes, por sua vez, justificam-se que não tem condições adequadas para trabalharem.
O Brasil é rodoviário, mas está defasado em infraestrutura. Um estudo da Fiesp aponta que o país oferece quase 50% menos de recursos que as regiões líderes em logística no mundo. Isso significa que a oferta brasileira de rodovias (municipais, estaduais e federais) necessita de ampliação da ordem de 53% se desejamos equiparar-nos aos líderes em logística. Isso sem contar com os outros modais.
Em 1969, foi instituída a cobrança da Taxa Rodoviária Única (TRU), cujo dinheiro era obrigatoriamente aplicado no sistema de transportes. A TRU foi extinta e deu lugar ao IPVA, em 1986, com gastos sem destinação específica, ou seja, tudo o que é arrecadado com o IPVA, entra no orçamento total da administração pública. Segundo a Constituição de 1988, esse dinheiro não pode ser vinculado a finalidades específicas.... Estima-se que a arrecadação do IPVA 2019 no RS será de R$ 2 bilhões.
A arrecadação do IPVA é significativa para o Estado e seus Municípios. Dos valores do IPVA 50% são do Estado e 50% são do município onde o veículo foi emplacado. Destes deve ser deduzido 20% a título de FUNDEB - Fundo de  Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos  Profissionais da Educação, que retornam ao Estado e aos Municípios para que sejam aplicados na manutenção e no desenvolvimento da educação.
As escolas estão sucateadas, os professores recebendo, parcelado, salários de dar pena; a malha rodoviária em péssimas condições, insegura, inapropriada para o transito de veículos normais, praticamente intrafegáveis. Enquanto isso, deputados, governadores, senadores, etc, se fartado com salários e benefícios extravagantes. Improdutivos, posando de bons samaritanos. 
Não falta dinheiro, não faltam pedágios, falta vontade, competência, e distribuição adequada dos recursos. Falta vergonha na cara dos nossos políticos.