O Farroupilha
  1. Home
  2. Artigo

Desafios do Mundo V.I.C.A. - O Antídoto

Vivemos num mundo Volátil, Incerto, Complexo e Ambíguo, o Mundo V.I.C.A. este conceito foi descrito pelo renomado sociólogo Zigmunt Baumann no intuito de definir o estado das coisas do mundo e na maneira como nos afectam, ou seja, como sentimos e vivemos o mundo de hoje. Esta semana abordarei o lado B desse conceito, ou seja, a postura a ser tomada para fazer frente a esse mundo veloz, ansioso, instável e extenuante.

Para enfrentar os desafios do Mundo V.I.C.A devemos adotar uma postura a sua justa medida, ou seja, tomar o “antídoto” para sobreviver a ele; para a Volatilidade desenvolver a Visão; para a Incerteza buscar a Introspecção; para a Complexidade o Conhecimento; e para a Ambiguidade desenvolver a Adaptação.

Visão - Pese a vertiginosidade è possível desenhar visões de curto, médio e longo prazo. Isto permitirá que, por mais que o entorno mude e quiçá nos obrigue a desviar do plano inicial, possamos manter presente uma visão interna vencedora e conectá-la a um propósito maior, algo que dê sentido as mudanças que estamos imersos.

Introspecção - Como ferramenta de superação pessoal e coletiva, a introspecção, o exercício de serenar o espírito , é uma ferramenta potente para enfrentar o descontrole e as convulsões emocionais que estamos sujeitos. A introspecção ajuda gerir as emoções e permite  observar as circunstâncias de forma serena antes de reagir instintivamente com um enfoque primitivo na luta pela sobrevivência.

Conhecimento - É inegável que através da tecnologia é possível acessar a um universo de conhecimento praticamente infinito, por isso é importante adotar um modelo de aprendizado que permita priorizar aquilo que é importante daquilo que é supérfluo segundo as próprias necessidades.

Adaptação - Adaptar-se nesse contexto é conviver com o processo de mudança continua, de necessidade de câmbio de padrões de comportamento. Adotar a cooperação, a solidariedade e a empatia, de forma que vejamos a vida em perspectiva e nos coloquemos no lugar do outro antes de agir.

O mundo que se transforma e se reinventa velozmente, influenciado pela globalização, Inteligência artificial, digitalização e transferência de informação.  Fácil para alguns, difícil para outros, conveniente e inconveniente, entusiasmante e frustrante, tudo ao mesmo tempo. Muito desafiador.  Uma sociedade de muito consumo e valores confusos.

O tempo se tornou dinheiro e o valor da vida uma consequência da relação de  capacidade de produção e recompensa obtida. Para muitos o mundo é visto apenas como um mercado.

Quem sabe essa pandemia não seja um sinal para  uma mudança daquilo que nos transformamos. Um apelo para voltarmos a ver a vida como uma passagem evolutiva do ser em busca da equidade social, pautados pelo trabalho com amor e arte, orientados a realização das vocações. Tempo de posicionarmos contrários a essa corrida cruenta, gananciosa, inconsequente, impiedosa e fútil em busca de status, dinheiro e poder.