O Farroupilha
DARCI LEVIS
Você e a Bíblia - Capítulo 79: Ansiedade e impaciência

O mundo vive um momento em que as pessoas estão muito ansiosas e impacientes. Crianças, jovens e adultos, querem tudo para ontem. Muitas pessoas, quando chegam em algum lugar que possui fila de duas pessoas, já ficam impacientes e não querem esperar. Na pandemia de coronavírus que estamos vivendo, o mundo está ansioso pela notícia de uma vacina e impaciente com os cuidados de prevenção e seus problemas diários.

No entanto, quando as pessoas estão com Deus, o criador, no seu coração, elas se entregam a Ele. Elas entregam as suas vidas para Deus. E assim, gradativamente, essas pessoas desenvolvem e aprimoram a sua fé. Com o tempo, sua crença no fato de que nada lhes faltará diariamente, porque Deus está nos seus corações, vai aprimorando e desenvolvendo cada vez mais a sua fé. E pela sua fé, elas passam a visualizar as maravilhas que começam a ocorrer nas suas vidas, que teriam difícil explicação para os olhos humanos.

Com o passar do tempo, a fé vai desenvolvendo a esperança sobre o futuro. E assim, começa a haver clareza no entendimento das coisas que estão ocorrendo agora e naquilo que o futuro reserva para as suas vidas. Isso acontece porque a aproximação com Deus vai se fortalecendo. E a Trindade, Pai (Deus), Filho (Jesus Cristo) e Espírito Santo, vai deixando evidente o seu trabalho na vida dessas pessoas, porque a fé desenvolve a esperança, que desenvolve o amor. E o amor de Deus não pode ser explicado, mas pode ser sentido, porque muda a pessoa, de tal maneira que uma nova vida se inicia.

Antigamente, em uma época que a maioria das pessoas só produzia maldades, conforme Gênesis 6.8: “Mas o SENHOR Deus aprovava o que Noé fazia.”. E Deus foi conversando com Noé, se manifestando de diversas formas. O relacionamento foi sendo aprimorado e, segundo Gênesis 6.22: “E Noé fez tudo conforme Deus havia mandado.”. E assim, conforme Gênesis 7.1: “Depois o SENHOR Deus disse a Noé: — Entre na barca, você e toda a sua família, pois eu tenho visto que você é a única pessoa que faz o que é certo.”. 

Pela fé, Noé atendeu o pedido de Deus e, certamente, enfrentou todo tipo de gozação das pessoas que viviam ao seu redor. Mas então, segundo Gênesis 7.23: “Somente Noé e os que estavam com ele na barca ficaram vivos. O resto foi destruído, isto é, os seres humanos, os animais domésticos, os animais selvagens e os que se arrastam pelo chão e as aves.”. E após isso, a família de Noé ficou ansiosa, pois estava demorando para a água baixar.

Após 150 dias, conforme Gênesis 8.1-3: “Então Deus lembrou de Noé e de todos os animais que estavam com ele na barca. Deus fez com que um vento soprasse sobre a terra, e a água começou a baixar. As fontes do grande mar e as janelas do céu se fecharam. Parou de chover, e durante cento e cinquenta dias a água foi baixando pouco a pouco.”. Após mais alguns dias, Noé e sua família saíram da barca no Monte Ararate, e começaram uma nova vida, guiados por Deus. Portanto, de forma semelhante, mesmo que você tenha algo difícil para resolver agora, os ventos de Deus poderão soprar para lhe ajudar. Deus sempre está disponível, basta que você queira se relacionar com ele.

Você e a Bíblia - Capítulo 77: Dificuldades e Aflições

Cada um de nós possui suas dificuldades e aflições diárias. As dificuldades de algumas pessoas podem ser maiores do que outras, mas de uma forma geral, todas as pessoas possuem problemas para enfrentar e resolver. Todos nós gostaríamos de acordar e ter alguma coisa resolvida definitivamente nas nossas vidas. Mas como podemos viver mais tranquilos, com paz, mesmo tendo nossas dificuldades e aflições?

Conforme João 16.33, Jesus disse: “Eu digo isso para que, por estarem unidos comigo, vocês tenham paz. No mundo vocês vão sofrer; mas tenham coragem. Eu venci o mundo.”. Jesus ressaltou que por estarem unidos com Ele seus discípulos teriam paz. E foi assim que aconteceu. Ele afirmou que no mundo eles iriam sofrer, mas aconselhou-os a ter coragem, e lembrou que Ele venceu o mundo.

Neste sentido, o ponto inicial e mais importante é que cada um de nós precisa se conectar com Deus, através de Jesus Cristo, para conseguir ficar “unido com Ele”. Essa afirmação também está registrada em João 14.6: “Jesus respondeu: — Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém pode chegar até o Pai a não ser por mim.”. Então, fica totalmente claro que só existe um Deus, o criador, e só existe um caminho para ele, que é Jesus Cristo.

Esta conexão muda totalmente a forma de lidarmos com nossas dificuldades e aflições. E é baseada na fé, conforme João 14.1: “Jesus disse: — Não fiquem aflitos. Creiam em Deus e creiam também em mim.”. Desta forma, a paz mencionada na primeira citação representa que teremos sabedoria para entender: 1) Se realmente precisamos algo que tanto queremos ou estamos “reclamando de barriga cheia”; 2) Os motivos pelos quais ainda não recebemos aquilo que realmente necessitamos; 3) Que se não tivéssemos enfrentado uma determinada situação difícil (porta fechada), já passada, não teríamos uma porta aberta no futuro; 4) Que recebemos tudo aquilo que realmente necessitamos quando estamos conectados com Deus.

Basicamente, isso representa a verdadeira paz, sentida apenas pelas pessoas que estão conectadas com Deus. Neste sentido, se você andar pela sua cidade, encontrará pessoas que aparentemente falta tudo, no que se refere a bens materiais, um bom lugar para morar, etc, mas que não reclamam de nada. Ao mesmo tempo, você encontrará pessoas que aparentemente possuem tudo, mas só reclamam. E a diferença dessas pessoas geralmente é a presença e a falta de Deus, respectivamente.

Isso não significa que todas as pessoas que têm muitas posses não possuem conexão com Deus. Em muitos casos, as muitas posses foram presentes de Deus, como resultado da conexão com Ele. Mas o foco da abordagem deste texto é a paz que as pessoas conectadas com Deus possuem, independentemente de suas situações econômicas. E para as pessoas que estão “unidas com Deus”, vale Romanos 8.18: “Eu penso que o que sofremos durante a nossa vida não pode ser comparado, de modo nenhum, com a glória que nos será revelada no futuro.”. 

Você e a Bíblia - Capítulo 76: Rompimento

Várias referências atribuem a Rui Barbosa a seguinte frase: “De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto”. Você já se sentiu assim?

Isso ocorre porque, infelizmente, há muitas práticas erradas que são consideradas normais. A Bíblia Sagrada é o nosso manual. Segundo ela, o pecado significa desobedecer a Deus, não seguindo seu padrão perfeito. É por causa do pecado que as pessoas ficam separadas de Deus e condenadas a morrer. O pecado é a razão pela qual existe maldade no mundo. E é essa maldade que representa todas as coisas erradas que acabam sendo consideradas normais por muitas pessoas. 

A dificuldade principal que surge é: como podemos nos manter firme nas nossas convicções, tentando fazer o que é correto, quando isso desagrada as pessoas com quem convivemos? Como exemplo, muitas pessoas que se consideram pessoas boas, pensam que não devem participar da política. Mas na verdade, é justamente por serem pessoas boas que deveriam participar!

Se você se considera uma pessoa boa, e não participa da política, permite que as pessoas que não são tão boas quanto você, participem, se filiem a partidos, concorram a cargos, se elejam, e governem você. E depois que essas pessoas são eleitas, se você quiser mudar algo precisará esperar passar o tempo determinado por lei para aquele cargo. Se as pessoas eleitas fizerem coisas erradas, será mais difícil mudar algo após uma eleição.

Se você é uma pessoa correta e quiser participar da política, quando comentar isso com as pessoas que lhe rodeiam pode ser que elas não concordem. Pode ser também, que você seja convidado a fazer coisas erradas por entrar na política. A política foi citada aqui apenas como exemplo. Mas independentemente da área em que você estiver inserido ou desejar se inserir, quando você entrega a sua vida para Deus e quer viver de acordo com os seus princípios, precisará abandonar os comportamentos errados que tinha antes.

Em Colossenses 3.5-8 está escrito: “Portanto, matem os desejos deste mundo que agem em vocês, isto é, a imoralidade sexual, a indecência, as paixões más, os maus desejos e a cobiça, porque a cobiça é um tipo de idolatria. [...] Antigamente a vida de vocês era dominada por esses desejos, e vocês viviam de acordo com eles. Mas agora livrem-se de tudo isto: da raiva, da paixão e dos sentimentos de ódio. E que não saia da boca de vocês nenhum insulto e nenhuma conversa indecente.”.

Colossenses 3.9-10 continua: “Não mintam uns para os outros, pois vocês já deixaram de lado a natureza velha com os seus costumes e se vestiram com uma nova natureza. Essa natureza é a nova pessoa que Deus, o seu criador, está sempre renovando para que ela se torne parecida com ele, a fim de fazer com que vocês o conheçam completamente.”. Neste sentido, é preciso que haja um rompimento, deixando a vida velha para trás e começando uma vida nova.

Você e a Bíblia - Capítulo 74: Escolhas

Todos os dias nós fazemos escolhas. Algumas são mais fáceis, outras mais difíceis. Algumas não alteram muito a nossa vida, outras mudam totalmente a nossa história. Se vamos viajar e erramos o caminho, por exemplo, basta acertar a rota e continuar a viagem. Neste caso, apenas alguns minutos seriam necessários para corrigir o erro da nossa escolha, e no final nosso objetivo seria atingido.

Decidir mudar de casa, cidade, estado ou país, representa uma escolha mais complexa. Nestes casos, se percebermos que a escolha foi equivocada após ter se estabelecido e vivido por um período em outro local, será um pouco mais demorado e também nos obrigará a gastar mais dinheiro para corrigir o resultado da nossa escolha. Então, será um pouco mais complicado desfazer ou corrigir a nossa escolha.

A decisão de casar com uma pessoa também envolve uma escolha. No entanto, se for uma decisão equivocada, será muito mais complicado para resolver. Existem mais pessoas e famílias envolvidas, talvez haja filhos que precisarão decidir ficar com apenas uma pessoa do casal, etc.

Muitas vezes não queremos acreditar que algo que nos aconteceu foi resultado das nossas próprias escolhas e ações. Mas Deus garante que cada pessoa receberá os frutos daquilo que plantou. Como exemplo, pode-se citar Romanos 2.1-3: “Meu amigo, não importa quem você seja, você não tem desculpa quando julga os outros. Pois, quando você os julga, mas faz as mesmas coisas que eles fazem, você está condenando a você mesmo. Nós sabemos que Deus é justo quando condena os que fazem essas coisas. Mas você, que faz as mesmas coisas que condena nos outros, será que você pensa que escapará do julgamento de Deus?”.

E em Romanos 2.11 há um reforço: “Pois ele trata a todos com igualdade.”. Neste sentido, concordando ou não, é assim que a vida na terra funciona. Então, temos que aceitar a lei da semeadura, que pode ser visualizada em Gálatas 6.7-10: “Não se enganem: ninguém zomba de Deus. O que uma pessoa plantar, é isso mesmo que colherá. Se plantar no terreno da sua natureza humana, desse terreno colherá a morte. Porém, se plantar no terreno do Espírito de Deus, desse terreno colherá a vida eterna. Não nos cansemos de fazer o bem. Pois, se não desanimarmos, chegará o tempo certo em que faremos a colheita. Portanto, sempre que pudermos, devemos fazer o bem a todos, especialmente aos que fazem parte da nossa família na fé.”.

Sendo assim, cada escolha e cada ação terão suas consequências. Por exemplo, se você semear trigo em seu quintal, você não vai colher milho. Vai colher trigo. Da mesma forma, se você plantar mentira, discórdia e maldade, você vai colher castigo. Mas se semear bondade, amor e honestidade, Deus vai recompensar você com uma boa colheita.

Conforme Josué 24.14-15: “Josué terminou, dizendo: — Portanto, agora temam a Deus, o SENHOR. Sejam seus servos sinceros e fiéis. [...] Mas, se vocês não querem ser servos do SENHOR, decidam hoje a quem vão servir. [...] Porém eu e a minha família serviremos a Deus, o SENHOR.”.

Você e a Bíblia - Capítulo 73: Memória curta

De uma forma geral, todos nós temos memória curta para algumas coisas. No entanto, lembramo-nos de todos os acontecimentos que realmente mexeram com as nossas emoções. Se vimos algo acontecer ao nosso redor que nos apavorou, nos deixou muito feliz, nos deixou imóvel, enfim, que realmente nos fez parar o que estávamos fazendo e “mudar de rota”, lembramos.

Nos casos citados acima, a lembrança vem à nossa mente e lembramos como se o fato tivesse ocorrido ontem. Como exemplos de fatos marcantes que você e eu lembramos, podemos citar o nascimento do primeiro filho, um acidente de trânsito, a alta de uma pessoa que amamos e estava no hospital, etc. Não há como esquecer esses acontecimentos.

Na Bíblia Sagrada estão registrados vários acontecimentos que foram proporcionados por Deus e impressionaram as pessoas, para que elas fossem salvas e entendessem que Ele realmente existe e sabe tudo o que fazemos. Como exemplo, antes de entrar em Canaã, que hoje é o Estado de Israel, Moisés relembrou alguns acontecimentos que as pessoas tinham vivenciado junto com ele durante os 40 anos que ficaram andando pelo deserto até aquele momento chegar.

Conforme Deuteronômio 11.1-4: “Moisés disse ao povo: — Amem o SENHOR, nosso Deus, e sempre obedeçam às suas leis, aos seus mandamentos e às suas ordens. Pensem hoje na grandeza de Deus e naquilo que aprenderam a respeito do seu poder e da sua força. Foram vocês, e não os seus filhos, que viram e conheceram tudo isso. Lembrem dos milagres e de tudo o que o SENHOR Deus fez no Egito contra Faraó, rei do Egito, e contra toda aquela nação.”.
E continuou em Deuteronômio 11.5-9: “Vocês viram o que Deus fez com o exército dos egípcios e com os seus cavalos e carros de guerra, quando estavam perseguindo vocês. O SENHOR fez com que as águas do mar Vermelho os cobrissem e afogassem, e assim acabou com eles para sempre. Vocês viram o que Deus fez no deserto, durante a viagem até este lugar, e também o que fez com Datã e Abirão, filhos de Eliabe, da tribo de Rúben. Na presença de todos a terra se abriu e engoliu os dois, junto com as suas famílias, barracas, empregados e animais. E vocês mesmos viram todos os grandes milagres que o SENHOR Deus fez.”.

É impossível esquecer-se de acontecimentos tão grandiosos como esses que foram relembrados por Moisés. Quem viveu e viu esses grandes acontecimentos, sempre lembrará. E relembrando isso, Moisés estava motivando o povo a ter a certeza de poder confiar no único Deus, que tanto fizera para protegê-los no passado, no novo desafio que havia chegado, que era a entrada na Terra Prometida. 

Neste sentido, vale a pena fazer o exercício proposto por Moisés: antes de murmurar ou reclamar de algo que esta por vir, podemos lembrar de tudo aquilo que Deus fez por você e por mim ao longo das nossas vidas. E isso nos fortalecerá para enfrentar os novos desafios que virão. 

Você e a Bíblia - Capítulo 72: Nossos pecados e o plano de Deus

Meus pecados sabotam o melhor plano de Deus para a minha vida? Perco o plano de Deus para mim vivendo em pecado? Se eu viver em pecado, receberei o plano B dele para mim? Vou perder o seu plano A?  Essas perguntas foram enviadas para John Piper, fundador do “desiringGog”, solicitando respostas.
Na sua reflexão para dar respostas embasadas na Bíblia, ele lembrou primeiramente de 2Coríntios 5.10: “Porque todos nós temos de nos apresentar diante de Cristo para sermos julgados por ele. E cada um vai receber o que merece, de acordo com o que fez de bom ou de mau na sua vida aqui na terra.”. Depois ele lembrou de Efésios 6.8, que diz: “Lembrem que cada pessoa, seja escrava ou livre, será recompensada pelo Senhor de acordo com o que fizer.”. Então, qualquer coisa boa que você fez e que ninguém viu, Deus anotou, e você receberá uma recompensa apropriada.

Em outra de suas análises, Piper lembrou que todos os cristãos pecam todos os dias, conforme 1João 1.8: “Se dizemos que não temos pecados, estamos nos enganando, e não há verdade em nós.”. Neste sentido, conforme a análise bíblica de Piper, pecamos todos os dias e fazemos obras de fé todos os dias. As ações pecaminosas resultam em sofrimento, enquanto as ações justas resultam em recompensa no último dia.

E Piper continuou: “Tente imaginar apenas você. Considere-se sem referência a mais ninguém no corpo de Cristo, apenas você. Do ponto de vista estritamente individual, a melhor vida seria uma vida com o menor número de pecados e os mais amorosos. Individualmente, então, a melhor vida, nosso melhor futuro, apenas do ponto de vista individual, está mudando a cada hora. Os pecados estão prejudicando nossa recompensa e as ações estão sendo queimadas, por assim dizer, com antecedência, e boas ações estão sendo registradas a cada hora da sua vida, e essas serão recompensadas.”.

E ainda: “Assim, sua melhor vida está mudando a todo momento por causa de todos os pecados que você pratica, mas todos eles e todas as suas boas ações estão sendo registradas. Deus registra essas informações e lida com elas adequadamente.”. Se somos honestos, após nos tornarmos cristãos os pecados deixaram de ser hábito e se tornaram acidente. Então, após percebermos que cometemos um pecado, acidentalmente, lamentamos e sentimos “dor no coração”, que representa arrependimento.

O apóstolo Paulo escreveu sobre isso em 2Coríntios 7.8-10: “Não me arrependo de ter escrito aquela carta, embora vocês tenham ficado tristes por causa dela. Quando soube que a carta os deixou tristes por algum tempo, eu poderia ter ficado arrependido. Mas agora estou alegre, não porque vocês ficaram tristes, mas porque aquela tristeza fez com que vocês se arrependessem. Aquela tristeza foi usada por Deus, e assim nós não causamos nenhum mal a vocês. Pois a tristeza que é usada por Deus produz o arrependimento que leva à salvação; e nisso não há motivo para alguém ficar triste. Mas as tristezas deste mundo produzem a morte.”.

Você e a Bíblia - Capítulo 71: As tempestades

Você já enfrentou alguma tempestade hoje? Pois é, todos nós já enfrentamos tempestades ao longo da nossa vida. Se você ainda não enfrentou, com certeza vai enfrentar algum dia. Se você já enfrentou e está lendo este texto, significa que a tempestade não lhe matou, e, certamente, lhe forçou a aprendeu coisas que não teria aprendido de outra forma.

Literalmente ou não, uma tempestade nos assusta. E, dependendo das circunstâncias, uma tempestade pode nos salvar ou nos matar. Mas todas as tempestades, contendo chuvas e ventos ou sem eles, podem ser enfrentadas de uma forma muito diferente, quando contamos com a presença de Deus.
Muitas tempestades e seus motivos estão detalhados na Bíblia Sagrada. Geralmente, o estrago ou benefício de uma tempestade está relacionado à proximidade com Deus. Provérbios 10.25 descreve: “Vem a tempestade e acaba com os maus, porém os honestos continuam sempre firmes.”. E Provérbios 3.25 ressalta para aqueles que estão próximos de Deus: “Você não ficará preocupado com os desastres que caem de repente como uma tempestade sobre os maus.”. 

De forma semelhante, a tempestade e seus efeitos são destacados em Provérbios 1:24-27a, sempre ressaltando que antes chegam os avisos e alertas: “Eu chamei e convidei, mas vocês não me ouviram e não me deram atenção. Vocês rejeitaram todos os meus conselhos e não quiseram que eu os corrigisse.

Assim, quando estiverem em dificuldades, eu rirei; e, quando o terror chegar, eu caçoarei de vocês. Zombarei de vocês quando o terror vier como uma tempestade, trazendo fortes ventos de dificuldades.”.

Em todas as situações que descrevem tempestades na Bíblia, literalmente ou não, embora os problemas continuem surgindo, quando as pessoas estão com Deus, a forma de resolvê-los muda totalmente. Uma descrição em que isso pode ser confirmado é Mateus 8.23-27: “Jesus subiu num barco, e os seus discípulos foram com ele. De repente, uma grande tempestade agitou o lago, de tal maneira que as ondas começaram a cobrir o barco. E Jesus estava dormindo. Os discípulos chegaram perto dele e o acordaram, dizendo: — Socorro, Senhor! Nós vamos morrer! — Por que é que vocês são assim tão medrosos? — respondeu Jesus. — Como é pequena a fé que vocês têm! Ele se levantou, falou duro com o vento e com as ondas, e tudo ficou calmo. Então todos ficaram admirados e disseram: — Que homem é este que manda até no vento e nas ondas?”.

No livro de Jó está descrito que todo o controle sobre as tempestades está nas mãos de Deus, conforme Jó 37.1: “A tempestade me faz bater o coração, como se ele fosse pular para fora do peito.”. E, continuando, em Jó 37.11-13: “Deus enche de água as nuvens, e elas lançam os relâmpagos. Seguindo a ordem de Deus, as nuvens se espalham em todas as direções. Elas fazem tudo o que Deus manda, em toda parte, no mundo inteiro. Deus faz cair chuva sobre a terra ou para castigar a gente ou para mostrar que tem amor por nós.”.

Você e a Bíblia - Capítulo 70: O Alimento

Todos nós precisamos nos alimentar, todos os dias, mais de uma vez a cada dia. O nosso corpo sente fome em determinados períodos e, quando temos o que comer nestes momentos, sentimos grandes prazeres. Saborear uma boa e deliciosa comida é um prazer indescritível, tão grande que muitas vezes exageramos na quantidade que ingerimos, porque queremos sentir os gostos e aquelas sensações por mais tempo.

Quem criou alimentos e os disponibilizou para nós foi o mesmo que nos criou, como pode ser visto em Gênesis 9.3: “Vocês podem comer os animais e também as verduras; eu os dou para vocês como alimento”. E mesmo em anos em que deveria haver descanso na terra, haveria alimento suficiente para as pessoas que acreditassem em Deus, conforme Levítico 25.5b-7: “Será um ano de descanso completo para a terra. Os campos não serão semeados, mas mesmo assim produzirão o bastante para alimentar todos os israelitas, os seus escravos e as suas escravas, os seus empregados, os estrangeiros que vivem no meio do povo e também os animais domésticos e os animais selvagens. Tudo o que a terra produzir servirá de alimento.”.

Além disso, conforme Salmos 145.15-16: “Todos os seres vivos olham para ele com esperança, e ele dá alimento a todos no tempo certo. Quando os alimenta, o SENHOR Deus é generoso; ele satisfaz a todos os seres vivos.”.

Mesmo assim, Deus sabe o que precisamos antes mesmo de pedir, conforme Isaías 65.24: “Antes mesmo que me chamem, eu os atenderei; antes mesmo de acabarem de falar, eu responderei.”.

Conforme Mateus 6.8 descreve: “Não sejam como eles, pois, antes de vocês pedirem, o Pai de vocês já sabe o que vocês precisam.”. E Mateus 6.11 ressalta o pedido por alimento em oração: “Dá-nos hoje o alimento que precisamos.”. Mesmo Deus sabendo o que precisamos antes de pedirmos, nossa oração diretamente a Ele significa que precisamos de conforto, conselho e ajuda. Quando oramos e conversamos com Ele através da nossa oração, estamos demonstrando que também nos esforçamos para compreender o que é melhor para nós, segundo a sua vontade, e não a nossa.

Mas além do alimento físico, também precisamos de alimento espiritual, porque depois que o pecado entrou no mundo, todas as pessoas nasceram com o espírito morto. Neste sentido, Mateus 4.4 descreve: “Jesus respondeu: — As Escrituras Sagradas afirmam: ‘O ser humano não vive só de pão, mas vive de tudo o que Deus diz.’”.

    Ressaltando o fato de que a palavra de Deus é o alimento espiritual que precisamos, Jeremias 15.16 revela: “Tu falaste comigo, e eu prestei atenção em cada palavra. Ó SENHOR, Deus Todo-Poderoso, eu sou teu, e por isso as tuas palavras encheram o meu coração de alegria e de felicidade.”. Portanto, o alimento físico, o alimento espiritual, bem como tudo o que realmente precisamos, vem de Deus.

Você e a Bíblia - Capítulo 69: Não tenha medo

Quantos são os momentos em que temos medo? De uma forma geral, todos os dias temos medo de algo. Pode ser de algo que ocorre inesperadamente, de alguma coisa que precisamos resolver com prazo determinado, de uma tomada de decisão que mudará a nossa vida, de um temporal, de uma pessoa maldosa, de uma doença, de um vírus, etc.

Desde que o pecado entrou no mundo, sempre houve medo. É por isso que o alerta que é mais repetido em toda a Bíblia Sagrada é “Não tenha medo”. Em Gênesis 15.1 está escrito: “Depois disso Abrão teve uma visão, e nela o Senhor lhe disse: — Abrão, não tenha medo. Eu o protegerei de todo perigo e lhe darei uma grande recompensa.”. E após este alerta, Deus fez uma aliança com ele e o abençoou com um filho e muitos descendentes, sendo que até aquele momento sua esposa era estéril.

2 Reis 1.15 destaca: “O anjo do Senhor disse a Elias:— Desça com ele e não tenha medo.”. Então, após ouvir isso Elias foi dar um recado muito difícil ao rei. Isaías 43.5 ressalta: “Não tenha medo, pois eu estou com você. Do Leste e do Oeste levarei o meu povo de volta para o seu país.”. E após isso, Deus salvou todo o povo de Israel.

Deus chama Jeremias para ser profeta em Jeremias 1.17: “Jeremias, prepare-se para ir. Vá dizer a eles tudo o que eu mandar. Não tenha medo deles agora, pois, do contrário, eu farei com que você fique com mais medo ainda quando estiver no meio deles.”. E logo depois, em Jeremias 1.18-19, Deus lhe revelou o que iria acontecer: “Escute, Jeremias! Todas as pessoas desta terra, isto é, os reis de Judá, as autoridades, os sacerdotes e o povo, vão ficar contra você. Mas hoje eu estou lhe dando forças para poder enfrentar essa gente. Você será como uma cidade cercada de muralhas, como um poste de ferro, como um muro de bronze. Eles não o derrotarão, pois eu estarei ao seu lado para protegê-lo. Eu, o Senhor, falei.”. E foi exatamente isso que aconteceu.

Lucas 8.50 descreve o recado de Jesus para Jairo: “Jesus ouviu isso e disse a Jairo: — Não tenha medo; tenha fé, e ela ficará boa.”. E logo após isso, a filha de Jairo, que havia sido anunciada como morta pelas pessoas, foi curada por Ele. Mateus 1.20 descreve: “Enquanto José estava pensando nisso, um anjo do Senhor apareceu a ele num sonho e disse: — José, descendente de Davi, não tenha medo de receber Maria como sua esposa, pois ela está grávida pelo Espírito Santo.”. E após isso, José entendeu quem era Jesus, que nasceu de Maria sem fecundação, pois ela era virgem.

Lucas 1.11-13 descreve: “Então um anjo do Senhor apareceu em frente de Zacarias, de pé, do lado direito do altar. Quando Zacarias o viu, ficou com medo e não sabia o que fazer. Mas o anjo lhe disse: — Não tenha medo, Zacarias, pois Deus ouviu a sua oração! A sua esposa vai ter um filho, e você porá nele o nome de João”. E pouco tempo depois, nasceu João Batista. Portanto, não importa o motivo do seu medo. Se colocar este motivo diante de Deus e lhe pedir ajuda, ele lhe ajudará e você não terá medo. 

O que você precisou ceder na pandemia?

A pandemia de coronavírus afetou todas as pessoas, no mundo inteiro. Cor da pele, nível intelectual e educacional, país, localização, religião, classe social, nada disso pode impedir a mudança de hábito das pessoas. Tudo que acontece na sua vida e na minha, que não nos matar, servirá para aprendermos alguma coisa. As pessoas que não estavam acostumadas em ceder a alguma de suas vontades, foram obrigadas a fazê-lo.
A vida estava seguindo normalmente. As pessoas trabalhavam, estudavam, iam a festas, almoçavam e jantavam em restaurantes, viajavam, etc. Mas tudo foi afetado de repente. Quem trabalhava para receber diariamente não pode mais trabalhar. Muitas pessoas que tinham empregos ficaram desempregadas. 
Os governos precisaram elaborar programas urgentes para evitar que muitas pessoas não tivessem o que comer. Grande parte dos países, seus estados e cidades decretaram situação de emergência ou calamidade pública. Surgiram milhares de campanhas para arrecadação de alimentos, materiais de higiene e hospitalares, etc.

Nos serviços públicos, os governos preveem redução de até 50% nas suas arrecadações. Embora ninguém ainda esteja falando, as prefeituras irão atrasar os salários dos seus funcionários em quase todo o Brasil. Neste sentido, com tantas pessoas sendo forçadas a ceder algo em suas vidas, me senti na obrigação de fazer algo também, mesmo não sendo forçado. 

Solicitei, por minha livre e espontânea vontade, a redução do salário que recebo pelo trabalho que desenvolvo na prefeitura de Canoas. Moro em Farroupilha há mais de 40 anos e trabalho em Canoas. Nessas minhas idas e vindas diárias, acompanhando os acontecimentos de Farroupilha, Canoas, do Rio Grande do Sul e do Brasil, senti que também precisava fazer algo. 

Como recebo dinheiro público pelo trabalho que desenvolvo em Canoas, estou fazendo aqui uma prestação de contas, porque é um jornal da cidade onde moro desde meu nascimento. Neste sentido, solicitei a redução de 30% do meu salário, pago pela Prefeitura Municipal de Canoas. Pelo que farroupilhenses me informaram, sou o primeiro morador da cidade de Farroupilha, que recebe dinheiro público, a seguir o exemplo do Governador Eduardo Leite e do Prefeito de Canoas Luiz Carlos Busato, solicitando espontaneamente, a redução do próprio salário em 30% durante três meses. Creio que isso é o mínimo que eu poderia fazer.

Olhando ao nosso redor, percebemos que há empresários com dificuldades, pessoas perdendo empregos, outras pessoas pensando no que fazer para se alimentar, etc. Isso nos faz refletir e realizar muitas outras ações, que neste caso, apenas Deus precisa saber e ver. 

‹ página anterior