O Farroupilha
DARCI LEVIS
Você e a Bíblia: Capítulo 24: Tragédia

Segundo definições de dicionários, uma tragédia é um acontecimento triste, funesto, catastrófico, devastador, uma desgraça, um desastre, uma calamidade, etc. Se refere a um ato que nos deixa boquiaberto, que nos surpreende. 
Como exemplos do Brasil, em janeiro de 2019 a barragem de Brumadinho/MG se rompeu e ocasionou a morte de mais de 200 pessoas. Em fevereiro de 2019, dez meninos jogadores de categorias de base do Flamengo morreram num incêndio ocorrido no centro de treinamento do clube. Ainda em fevereiro, um temporal que atingiu a cidade de Rio de Janeiro/RJ provocou a morte de seis pessoas. Conforme as reportagens sobre estes acontecimentos, todas elas foram consideradas tragédias “anunciadas”, que estavam na iminência de ocorrer.
De uma forma geral, todos nós concordamos que os fatos citados acima são considerados tragédias. No entanto, considerando os ensinamentos bíblicos, a maior tragédia aconteceu para as pessoas que morreram sem Deus. Conforme Hebreus 9:27: “Cada pessoa tem de morrer uma vez só e depois ser julgada por Deus.”. Neste sentido, cada pessoa que morreu nos acidentes citados acima já teve um destino, e, será julgada.
Cada julgamento só terá dois caminhos possíveis: morte eterna ou vida eterna. Conforme Romanos 6:23: “Pois o salário do pecado é a morte, mas o presente gratuito de Deus é a vida eterna, que temos em união com Cristo Jesus, o nosso Senhor.”. Sendo assim, quem não acredita em Deus e em Jesus Cristo, e não se arrepende sinceramente dos seus pecados durante a vida na terra, continua no pecado até a morte física. Então, neste caso, quando a morte física chega, sua consequência é a morte eterna.
Por outro lado, quem passa a acreditar em Deus e em Jesus Cristo, e se arrepende sinceramente dos seus pecados durante a vida na terra, está perdoado dos seus pecados quando a morte física chega. Então, neste caso, quando a morte física chega, sua consequência é a vida eterna, conforme disse Jesus em João 5:24: “Eu afirmo a vocês que isto é verdade: quem ouve as minhas palavras e crê naquele que me enviou tem a vida eterna e não será julgado, mas já passou da morte para a vida.”.
Neste sentido, para Deus, não é tragédia o fato de pessoas morrerem fisicamente, quando ganham a vida eterna. Entretanto, para Deus, é tragédia o fato de pessoas morrerem fisicamente, quando ganham a morte eterna. Esta é a pior tragédia para Deus. Portanto, ou se ganha vida eterna ou morte eterna. Não existe segunda chance! A parábola do rico e de Lázaro, descrita em Lucas 16:19-31, é um exemplo claro disso.

Você e a Bíblia: Capítulo 23: Descanso para os cansados

Quando uma pessoa está doente, a primeira coisa que ela precisa fazer é reconhecer a doença. Após isso, é a pessoa que vai ao médico, buscar uma solução para a sua doença. Espiritualmente, não é assim que funciona. Primeiro, as pessoas têm dificuldade de identificar uma “doença” espiritual. Um segundo problema, é que as pessoas se envolvem facilmente com outras pessoas que oferecem soluções espirituais das trevas.

Em Mateus 11: 28-30 está escrito: “Venham a mim, todos vocês que estão cansados de carregar as suas pesadas cargas, e eu lhes darei descanso. Sejam meus seguidores e aprendam comigo porque sou bondoso e tenho um coração humilde; e vocês encontrarão descanso. Os deveres que eu exijo de vocês são fáceis, e a carga que eu ponho sobre vocês é leve.”.
Quem diz “venham a mim”, no texto citado acima, é Jesus Cristo. Fica claro que isso não é uma ordem, nem uma intimação. É apenas um convite. Jesus Cristo deixa claro que ninguém é obrigado a fazer coisa alguma, porque todos nós temos o livre arbítrio. Mas também fica claro que todos nós podemos nos aproximar dele e receber descanso, sem intermediários. Nós temos uma “linha direta” com ele, mas somos nós que devemos buscá-lo, como quando vamos ao médico.

Quando temos problemas que vão se acumulando sem encontrarmos solução, que começam a nos tirar o sono, temos um indicativo de que estamos “cansados de carregar nossas pesadas cargas”. Nessa situação, precisamos de descanso. Conforme descreve o livro de Gênesis, nós não fomos criados para sofrer. Mas devido a nossas atitudes humanas, passamos a sofrer. Com o descanso oferecido por Jesus Cristo, nos livramos do cansaço mental e espiritual. E o principal aspecto deste descanso é que ele não vale apenas para os momentos posteriores da nossa vida humana, mas para a eternidade.

Quando Jesus diz que “é bondoso e tem um coração humilde”, significa que ele ouve todos que o buscam. Neste sentido, precisamos ter humildade para reconhecer que “estamos doentes” e precisamos de ajuda. E então, entregamos o nosso problema para Deus. Conforme Jesus disse, se andarmos com ele toda a nossa carga será aliviada, pois passaremos nosso problema para alguém superior, de extrema confiança.

Um seguidor fiel do reino de Deus deve viver descansado e leve, porque quando chegam os problemas que aparentemente não possuem solução, pode colocá-los nas mãos de Deus e pedir orientação, em nome de Jesus. Essa orientação virá, com certeza, de alguma forma. E cada problema humano poderá ser resolvido, um após o outro, gradativamente. Portanto, quando estivermos cansados, temos a quem pedir descanso.
 

Você e a Bíblia: Capítulo 22: O Batismo

No novo testamento bíblico, quando alguém passava a crer em Jesus Cristo era imediatamente batizado. No entanto, isoladamente, o batismo não significa que a pessoa batizada está convertida. Primeiro é preciso crer em Jesus Cristo e se arrepender sinceramente dos seus pecados, de todo o coração, conforme Atos 2:38: “Pedro respondeu: Arrependam-se, e cada um de vocês seja batizado em nome de Jesus Cristo para que os seus pecados sejam perdoados, e vocês receberão de Deus o Espírito Santo.”.

A conversão acontece quando uma pessoa ouve e entende o evangelho, e passa a crer nele de todo o coração. Toda conversão verdadeira fará com que a pessoa se aproxime de Deus com um sentimento de arrependimento pelos seus pecados, com o desejo de se submeter à autoridade de Jesus Cristo. O Batismo é um mandamento.

Quando estamos convertidos, caminhamos mais próximos de Jesus Cristo. Através do Batismo, mostramos a todas as pessoas nossa decisão por Jesus Cristo. É uma manifestação pública da nossa vontade. Por este motivo, o Batismo descrito na Bíblia só faz sentido quando já sabemos o que estamos fazendo. Conforme Marcos 16:16: “Quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado.”. Neste sentido, fica totalmente claro que primeiro é preciso “crer”, ou seja, temos que ter uma determinada idade para poder compreender quem foi Jesus Cristo e acreditar Nele, para somente depois disso sermos batizados.

Como descrito em Mateus 3:16-17: “Logo que foi batizado, Jesus saiu da água. O céu se abriu, e Jesus viu o Espírito de Deus descer como uma pomba e pousar sobre ele. E do céu veio uma voz, que disse: Este é o meu Filho querido, que me dá muita alegria!”. Segundo a Bíblia, foi dessa forma, através do Batismo, que Jesus recebeu o Espírito Santo de Deus para começar a fase mais importante do seu trabalho na terra. E conforme Efésios 4:5-6: “Há um só Senhor, uma só fé e um só batismo. E há somente um Deus e Pai de todos, que é o Senhor de todos, que age por meio de todos e está em todos.”.

Neste sentido, o batismo pode ocorrer a qualquer momento, desde que já possamos entender e crer em Jesus Cristo. Quando um alto funcionário da Etiópia estava lendo o livro do profeta Isaías, no trecho em que descrevia a morte de Jesus, quando ele viria para a terra, perguntou a Filipe, conforme Atos 8:34-38: “O funcionário perguntou a Filipe: Por favor, me explique uma coisa! De quem é que o profeta está falando isso? É dele mesmo ou de outro? Então, começando com aquela parte das Escrituras, Filipe anunciou ao funcionário a boa notícia a respeito de Jesus. Enquanto estavam viajando, chegaram a um lugar onde havia água. Então o funcionário disse: Veja! Aqui tem água. Será que eu não posso ser batizado? Filipe respondeu: Se o senhor crê de todo o coração, é claro que pode. E o funcionário disse: Sim, eu creio que Jesus Cristo é o Filho de Deus. Ele mandou parar a carruagem, os dois entraram na água, e Filipe o batizou ali.”. 
 

Você e a Bíblia: Capítulo 21: Contribuindo com o Reino de Deus

Os primeiros cristãos foram os doze apóstolos. Eles foram evangelizados diretamente por Jesus Cristo. Presenciaram os seus milagres e a sua ressurreição ao vivo. E depois da ressurreição de Jesus, receberam o Espírito Santo para evangelizar outras pessoas. E assim, iniciou a igreja evangelizadora estabelecida por Jesus. O trabalho dos apóstolos era evangelizar o maior número de pessoas, no mundo todo. Eles faziam isso o dia inteiro.
Conforme Atos 2: 43-47: “Os apóstolos faziam muitos milagres e maravilhas, e por isso todas as pessoas estavam cheias de temor. Todos os que criam estavam juntos e unidos e repartiam uns com os outros o que tinham. Vendiam as suas propriedades e outras coisas e dividiam o dinheiro com todos, de acordo com a necessidade de cada um. Todos os dias, unidos, se reuniam no pátio do Templo. E nas suas casas partiam o pão e participavam das refeições com alegria e humildade. Louvavam a Deus por tudo e eram estimados por todos. E cada dia o Senhor juntava ao grupo as pessoas que iam sendo salvas.”.
Esse trabalho de evangelização foi se espalhando pelo mundo ao longo do tempo. Atualmente, há pessoas que praticam a verdadeira evangelização, que seguem à risca a palavra de Deus, escrita na Bíblia Sagrada. Os verdadeiros evangelizadores seguem apenas a Bíblia, sem inventar ou seguir doutrinas estabelecidas por humanos. 
Contribuir financeiramente é uma forma bíblica de adorarmos a Deus. A contribuição serve para suprir as necessidades daqueles que investem suas vidas para o reino de Deus. Conforme 1 Coríntios 9:14: “Assim o Senhor mandou também que aqueles que anunciam o evangelho vivam do trabalho de anunciar o evangelho.”.
Todas as pessoas que trabalham tem o direito de receberem remuneração. Da mesma forma, aqueles que trabalham sinceramente e seriamente na divulgação do Reino de Deus, também têm o direto de terem suas necessidades supridas. Conforme 1 Coríntios 9:7: “Quem já ouviu falar de algum soldado que pagou as suas próprias despesas no exército? Ou qual é o fazendeiro que não come das uvas da sua própria plantação? Ou qual é o pastor que não toma do leite do seu gado?”. Sendo assim, as necessidades de quem dedica sua vida em favor da obra de Cristo são supridas através dos recursos dos irmãos, que estão envolvidos com a igreja evangelizadora. E quando isso ocorre, conforme Filipenses 4:19: “E o meu Deus, de acordo com as gloriosas riquezas que ele tem para oferecer por meio de Cristo Jesus, lhes dará tudo o que vocês precisam.”.
Neste sentido, contribuir financeiramente é parte da visão de que tudo o que temos pertence a Deus, e que a Ele devolvemos apenas uma parte. Mas quanto deve ser a nossa contribuição? Segundo 2 Coríntios 9:7: “Que cada um dê a sua oferta conforme resolveu no seu coração, não com tristeza nem por obrigação, pois Deus ama quem dá com alegria.”.
 

Você e a Bíblia: Capítulo 20: Enfrentando as fortalezas

Todos nós vivemos por muito tempo fazendo coisas que desagradam a Deus. Todas as pessoas que ainda vivem dessa forma desconhecem a verdade. A Bíblia Sagrada nos fala que as mentiras nos tornam escravos de vícios, de ídolos e de atitudes. Mas conforme João 8:32, Jesus disse para os que creram nele: “E conhecerão a verdade, e a verdade os libertará.”.
As nossas atitudes erradas e persistentes são fortalezas que precisamos enfrentar. Quando escorregamos no mesmo pecado continuamente, temos uma fortaleza a ser enfrentada. São hábitos de difícil mudança, mas que precisam ser mudados. Quando estamos acostumados a fazer algo que caracteriza um pecado, precisamos enfrentar a fortaleza, até conseguir parar de repeti-lo. A dificuldade de parar a repetição de um pecado representa uma área da nossa vida que ainda não está completamente sob o controle de Cristo. Para resolver isto definitivamente, primeiro precisamos identificar qual é a nossa maior fraqueza.
Os hábitos mais comuns que caracterizam pecados, coisas que não agradam a Deus, são: amargura, raiva, ciúmes, preguiça, linguagem indecente, horóscopos (padrões definidos por humanos), adoração a ídolos, vícios, medo, vergonha, masturbação, pornografia, prazeres da carne (coisas compradas ou consumidas apenas para encher o “vazio existencial”), ocultismo, espiritismo, etc. Após analisar cada um desses temas, precisamos identificar as áreas que temos problemas e colocá-las diante de Deus, reconhecendo-as e orando por livramento. Conforme 1 João 8: “Se dizemos que não temos pecados, estamos nos enganando, e não há verdade em nós.”.
A Bíblia contém ajuda para destruirmos as fortalezas da nossa vida. Segundo 2 Coríntios 10:3-5: “É claro que somos humanos, mas não lutamos por motivos humanos. As armas que usamos na nossa luta não são do mundo; são armas poderosas de Deus, capazes de destruir fortalezas. E assim destruímos ideias falsas e também todo orgulho humano que não deixa que as pessoas conheçam a Deus. Dominamos todo pensamento humano e fazemos com que ele obedeça a Cristo.”.
As nossas armas estão descritas em Efésios 6:11: “Vistam-se com toda a armadura que Deus dá a vocês, para ficarem firmes contra as armadilhas do Diabo.”; 6:14: “Portanto, estejam preparados. Usem a verdade como cinturão. Vistam-se com a couraça da justiça”; e, 6:16-18a: “E levem sempre a fé como escudo, para poderem se proteger de todos os dardos de fogo do Maligno. Recebam a salvação como capacete e a palavra de Deus como a espada que o Espírito Santo lhes dá. Façam tudo isso orando a Deus e pedindo a ajuda dele.”.
A promessa de Deus para quem segue as instruções é clara e está em 1 João 1:9: “Mas, se confessarmos os nossos pecados a Deus, ele cumprirá a sua promessa e fará o que é correto: ele perdoará os nossos pecados e nos limpará de toda maldade.”.

Você e a Bíblia: Capítulo 19: Compartilhando Jesus Cristo

Todas as pessoas, que após entenderem o conteúdo bíblico aceitam Jesus como seu salvador e começam a desfrutar das maravilhas de uma nova vida, acham natural falar dEle e do seu amor. No entanto, encontrar Jesus e entender que ele é o único caminho que nos leva a Deus, o Pai, é mais do que um simples prazer. É uma responsabilidade. E é neste aspecto que muitas pessoas se acham incapazes de passar isso adiante, falando da Bíblia Sagrada.
Mas Deus tem várias maneiras de nos ajudar, fornecendo tudo que precisamos para obter êxito ao falar de Jesus. O Evangelho, por exemplo, é uma boa notícia sobre alguém que fez alguma coisa e mudou a história do mundo. No evangelho, encontramos a missão que Jesus nos deixou, conforme Mateus 28:19-20: “Portanto, vão a todos os povos do mundo e façam com que sejam meus seguidores, batizando esses seguidores em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo e ensinando-os a obedecer a tudo o que tenho ordenado a vocês. E lembrem disto: eu estou com vocês todos os dias, até o fim dos tempos.”.
Segundo 2 Coríntios 5:20: “Portanto, estamos aqui falando em nome de Cristo, como se o próprio Deus estivesse pedindo por meio de nós. Em nome de Cristo nós pedimos a vocês que deixem que Deus os transforme de inimigos em amigos dele.”. Neste sentido, todas as pessoas que já entenderam o papel de Jesus na Terra e nas suas vidas, são embaixadoras de Cristo. Seu papel é divulgar o evangelho, orar pelas pessoas perdidas espiritualmente, enfim. Sendo assim, quando chegamos neste estágio de entendimento e sabedoria, nosso desafio é tentar nos tornar representantes de Jesus.
Mas depois que Jesus foi crucificado, Ele nos enviou o Auxiliador, que é Espírito Santo. Por este motivo, conforme Atos 1:8: “Porém, quando o Espírito Santo descer sobre vocês, vocês receberão poder e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judeia e Samaria e até nos lugares mais distantes da terra.”. Então, é o Espírito Santo que nos capacita para sermos testemunhas de Jesus Cristo.
O principal fato que temos para apresentar às pessoas que ainda não creem, pode ser lido em 1 Coríntios 15:3-4: “Eu passei para vocês o ensinamento que recebi e que é da mais alta importância: Cristo morreu pelos nossos pecados, como está escrito nas Escrituras Sagradas; ele foi sepultado e, no terceiro dia, foi ressuscitado, como está escrito nas Escrituras;”. A crucificação de Jesus Cristo foi o sacrifício definitivo para todos os seres humanos. Foi isso que permitiu o perdão dos nossos pecados.
Conforme Romanos 3:23-25: “Todos pecaram e estão afastados da presença gloriosa de Deus. Mas, pela sua graça e sem exigir nada, Deus aceita todos por meio de Cristo Jesus, que os salva. Deus ofereceu Cristo como sacrifício para que, pela sua morte na cruz, Cristo se tornasse o meio de as pessoas receberem o perdão dos seus pecados, pela fé nele.”. Neste sentido, através do arrependimento dos pecados e da crença em Jesus Cristo, obtemos a salvação, que é a vida eterna, o maior de todos os objetivos que qualquer ser humano pode ter.