O Farroupilha
  1. Home
  2. Notícias
Por: Redação

Farroupilhense de 13 anos toma posse na Academia de Letras Machado de Assis

Farroupilhense de 13 anos toma posse  na Academia de Letras Machado de Assis
(Foto: Maíra de Azevedo)

No último sábado, 1º, Júlia de Rossi, 13 anos de idade, estudante na Escola Municipal Antônio Minella, assumiu uma cadeira na Academia de Letras Machado de Assis, de Porto Alegre. A posse aconteceu no Plenário Ana Terra, da Câmara de Vereadores da capital gaúcha e foi acompanhada pela secretária de Educação de Farroupilha, Elaine Giuliato, pela diretora da escola, Daiane Tonin Nunes, por professoras e familiares de Júlia.
De acordo com a mãe de Julia, Neiva Lourdes de Rossi, desde muito cedo, a menina destacou-se pela criatividade, habilidade em desenhar, escrever e colocar no papel seus sentimentos. “Ela começou a ler com quatro anos de idade e aos seis criou e ilustrou o livro Misturando os Animais, que foi publicado em 2015, na Feira do Livro de Farroupilha. À medida que foi crescendo, passou a escrever poesias abordando questões mais amplas e críticas direcionadas ao público juvenil”, conta.

Em 2016, Júlia foi convidada para participar de ações pedagógicas em escolas públicas de Farroupilha e de Caxias do Sul, sendo que suas produções foram trabalhadas com estudantes dos anos iniciais do Ensino Fundamental. Em 2017, foi premiada com Menção Honrosa, no Concurso Regional de Contos, Crônicas e Poesias Oscar Bertholdo, com o poema “Laurinha, a bruxinha boazinha”. No ano que vem, Júlia pretende publicar o livro “ Ponto, Vírgula e Poemas”.

 

Academia De Letras Machado De Assis

A Academia de Letras Machado de Assis foi fundada em 2009, em Porto Alegre, pelas professoras Ilda Maria Costa Brasil, Nilza de July da Costa e Silva, Olenca Fagundes Cohen, Rosane Rosito Anele; pela advogada Dra. Sandra Regina Bruçó e por estudantes. Tem como Lema “A palavra nasce eterna; não sofre a morte, apenas se transforma conforme as épocas e os momentos vivenciados” e slogan “Escrever é propor enigmas, encantar e problematizar o Eu, o Mundo, a Vida”.