O Farroupilha
  1. Home
  2. CLAUDIA IEMBO

Contrários

A semana começou com céu azul lindo, temperatura agradável, varal repleto de roupas, casa aberta. Mudou rápido. No dia seguinte: neblina, friozinho, umidade. Um dia outono, o outro inverno. 

Inconstante, como as condições climáticas, é a vida. Está tudo bem e no minuto seguinte, não está mais ou o contrário, para alívio dos otimistas. Da nitidez à falta de visibilidade e vice-versa.

Somos seres adaptáveis, do contrário não evoluiríamos. Se pararmos para pensar, o contrário sempre está presente, ali no meio do caminho acenando como outra possibilidade para cada decisão tomada, para cada escolha. 

Tem gente que anda conosco, tem quem esteja em direção contrária. Há ocasiões favoráveis e há as contrárias. Nossas atitudes podem cooperar com nosso crescimento ou serem contrárias a ele, assim como alguns hábitos são contrários à saúde. Até nós mesmos, às vezes, estamos do lado contrário de tudo, como se optássemos pelo oposto daquilo que deveríamos fazer. Quem nunca?

Difícil lidar com o inverso, com o avesso, com o oponente, mas necessário porque tudo se complementa. O que seria da escuridão sem a luz? Da lágrima sem o sorriso? Das derrotas sem as vitórias? Ou o contrário. Viu? Ele está sempre presente, é o outro lado, o antônimo, com o qual aprendemos muito.

Eu mesma tenho aprendido que as diferenças resultantes dos contrários têm seus encantos. Constantemente ressalto as complicações da falta de semelhança, principalmente em alguns relacionamentos mais intensos que alimento e sempre escuto uma defesa contrária ao meu ponto de vista. Pode até incomodar na hora, mas normalmente proporciona um crescimento. O direito tem o avesso.

Crescemos acreditando que pessoas que pensam, ou agem, ou reagem, ou seja lá o que for de forma semelhante são capazes de gerar mais harmonia. Verdade. Mas os confrontos carregam um potencial enorme de ensinamentos. Ou o contrário.

Vamos errar, do contrário não sairemos do lugar.