Estamos prontos para o novo momento do turismo?

Vivemos (ainda) um momento diferente, único, que provavelmente, nunca imaginamos viver,estou falando de uma pandemia, que nos obrigou a rever todos os conceitos antes aceitáveis, muitos deles que jamais pensamos poder ser diferente do que eram, mas fomos obrigados do dia para a noite mudarmos nossa forma de viver, e o turismo como mola propulsora do desenvolvimento econômico de muitas localidades, foi uma das áreas mais afetados em um primeiro momento.
Com o passar dos dias e meses, fomos aprendendo a conviver com este vírus, aprendemos que podíamos nos movimentar entre destinos turísticos com certa segurança, os poderes públicos e o trade turístico foram criando formas de novamente trazer publico para seus atrativos, e Farroupilha como tem se preparado?
Nos últimos anos, nossa cidade inovou, criou e se posicionou como um verdadeiro destino turístico da Serra Gaúcha, entrou de vez no mapa do turismo nacional, foi reconhecida pelo ministério do Turismo com o Premio Nacional do Turismo, desenvolveu parcerias, e criou novas opções turísticas, mas tudo isto apenas foi possível, por conta de uma forte articulação do poder público com o investidor privado.
Criou-se um forte elo que proporcionou, a criação do Roteiro turístico Farroupilha Colonial, buscou-se meios para primeiramente revitalizar o Parque do Salto Ventoso e em seguida para asfaltar as vias de acesso a este parque, tornou-se viável a obtenção do titulo de Capital Nacional do Moscatel, fortalecendo o Enoturismo que mostrou ser um gigante indutor do turismo em nossa cidade, com diversos produtos enoturísticos, dentre eles o Festival do Moscatel, que em sua última edição, lotou todos os leitos de hotéis de nossa cidade, e dentre tantas outras iniciativas, em uma grande e inédita parceria entre as Regiões turísticas da Uva e Vinho e das Hortênsias, criou-se o roteiro turístico Caminhos de Caravaggio, roteiro este que foi um dos primeiros em todo estado a voltar a funcionar.
O turismo regional, o turismo do interior o turismo ao ar livre, neste momento pandêmico, é o que se tem mostrado mais forte, e de maior procura, o que fizemos nestes últimos meses para manter vivo o espírito empreendedor de nosso trade? Buscamos formas de comunicar com o público que já estava vendo Farroupilha como um possível local para suas férias? Traçamos estratégias para a continuidade do avanço do turismo em nossa cidade? Ou ainda, queremos realmente ter o turismo como elemento preponderante na formação de riqueza para nossa cidade? Infelizmente, não posso responder estas perguntas, mas olhando o que já foi feito, tenho certeza que com vontade, incentivo e parceria, o trade turístico farroupilhense não irá ficar de braços cruzados, uma vez que quando foi instigado a buscar o crescimento todos mostraram seu espírito empreendedor e mesmo em pouco tempo já puderam ver o resultado desta parceria.